O Homem que sabia de tudo

Na última sexta-feira (19), faleceu Umberto Eco, um dos grandes pensadores contemporâneos. Fica difícil definir a sua área de atuação, pois o italiano teve grande influência (e ainda terá por muito tempo) em diferentes áreas de conhecimento. O Jornal italiano La Reppublica anunciou a sua morte com um título que resume bem a sua importância. “Morreu Umberto Eco, o homem que sabia de tudo”.

giphy.gif

Natural de Alessandria, uma comuna da região de Piemonte, no norte da Itália, Umberto Eco foi escritor, filósofo, professor, crítico literário e semiólogo, sendo autor de vários livros sobre semiótica, estética medieval, linguística e filosofia. Acredito que um dos grandes méritos dele foi o de produzir conhecimento acadêmico numa linguagem acessível e sem os vícios de quem escreve trabalhos científicos. Quem é da área de semiótica sabe muito bem o que eu estou falando.

Além de atuar no mundo acadêmico ele também trabalhou em programas culturais na televisão pública italiana, a RAI. Foi nesse período que ele se interessou pela semiótica e foi contratado para dar aulas na Universidade de Bolonha (a mais antiga da Europa).

Tenho um carinho especial pelo seu trabalho pois leciono disciplinas que tem como base conhecimentos das áreas da Estética e das Teorias da Comunicação e utilizo algumas das obras escritas por ele. Percebi que muitos portais de notícias o “definiram” como o autor de O Nome da Rosa, mas isto seria o mesmo que dizer que Pelé foi um grande jogador de futebol.

Assim como a semiótica estuda os fenômenos culturais como se fossem sistemas sígnicos, ou seja, como detentores de significado, o trabalho de vida do escritor italiano não pode ser descrito por um único ponto de vista, pois Eco soube atuar em diferentes áreas do conhecimento e da vida como um malabarista que brinca com várias bolinhas ao mesmo tempo.

onomedarosa-_1986Cena do filme O Nome da Rosa

Um bom exemplo dessa habilidade pode ser observado no livro O Nome da Rosa onde ele escreve uma narrativa que tem um pouco de relato histórico, suspense policial e ao mesmo tempo é uma crônica medieval. A história gira em torno de Guilherme Baskerville, um monge franciscano que visita uma abadia no norte da Itália, em 1327, e de repente se vê inserido numa sequência de eventos envolvendo crimes, conspirações e descobertas extraordinárias. O romance foi adaptado ao cinema em 1986 e contou com Sean Connery no papel principal, o ator foi premiado com o Bafta de melhor ator de cinema por sua interpretação nesse filme.

É engraçado assistir numa entrevista o escritor “reclamando” do sucesso do seu primeiro romance, O Nome da Rosa. Segundo o italiano, por mais que escrevesse um livro melhor do que aquele, ele sempre era lembrado como o autor de O Nome da Rosa, o qual ele não considerava um dos seus melhores trabalhos.

“Os livros não são feitos para que alguém acredite neles, mas para serem submetidos à investigação. Quando consideramos um livro, não devemos perguntar o que diz, mas o que significa.” – O Nome da Rosa

28iht-eco28-pic-videoSixteenByNine1050

Assim como a semiótica, que estuda os modos como o homem percebe aquilo que o rodeia, Umberto Eco soube interpretar vários aspectos do cotidiano do homem e transitar entre o mundo acadêmico e a cultura popular. Dentre as obras acadêmicas gostaria de ressaltar:

  • Obra Aberta (1962) – o livro traz uma série de ensaios sobre a produção artística europeia que convidava o intérprete a participar da construção final do objeto artístico. Ou seja, toda obra de arte é aberta e não pode ser reduzida a apenas uma interpretação.
  • Apocalípticos e Integrados (1965) – uma obra obrigatória dentro da disciplinas de Teorias da Comunicação, pois nela o autor apresenta uma série de ensaios sobre a questão da cultura de massa na era tecnológica. Para o autor os apocalípticos são aqueles que condenam os meios de comunicação de massa enquanto que os integrados aqueles que os absolvem.
  • História da Beleza (2004) – um trabalho audacioso onde o autor procura responder alguns dos grandes questionamentos sobre o Belo. O que é a beleza? O que é arte? Gosto se discute? O livro procura analisar as transformações do conceito do Belo através dos tempos.
  • História da Feiura (2007) – O autor se volta agora para a feiura buscando identificar as representações visuais ou verbais e refletir sobre os parâmetros que definem a existência do feio, do cruel e do demoníaco.

livro

Além desses trabalhos, destaco seu trabalho mais recente. Em Número Zero o autor aborda o mundo do jornalismo, principalmente do mau jornalismo. Na história um grupo de redatores, reunidos ao acaso, preparam o jornal “Amanhã” com o objetivo não de informar, mas de prestar serviços duvidosos a seu editor, manipulando, chantageando e amedrontando adversários políticos na preparação de uma edição que nunca é publicada. Apesar de ser um romance, o livro é um verdadeiro manual do mau jornalismo e traz uma série de reflexões sobre a comunicação e a informação na sociedade atual.

“Não são as notícias que fazem o jornal, mas o jornal é que faz as notícias, e saber juntar quatro notícias diferentes significa propor ao leitor uma quinta notícia” – Número Zero

Numa entrevista dada em 2015 ao jornal La Stampa, o escritor ainda aconselhou os jornais a filtrarem com uma “equipe de especialistas” as informações da web porque ninguém é capaz de saber se um site é “confiável ou não”. Segundo ele “As redes sociais dão o direito de falar a uma legião de idiotas que antes só falavam em um bar depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a humanidade. Então, eram rapidamente silenciados, mas, agora, têm o mesmo direito de falar que um prêmio Nobel. É a invasão dos imbecis”.

O futebol também mereceu a sua atenção, mesmo que eles não fossem tão próximos. “Não amo o futebol porque o futebol nunca me amou”. Dessa forma o italiano descreveu a sua relação com esse esporte.  De qualquer forma, o time de futebol Alessandria utilizará uma braçadeira negra nas próximas partidas homenageando um dos seus filhos mais ilustres.

 “Quem assiste ao futebol é um depravado sexual. Marcar um gol é como fazer sexo. Além disso, diante de tamanha depravação, até mesmo o Marquês de Sade pareceria uma criança inocente. O torcedor é como um voyeur. Em algumas ocasiões, pode ser também interessante assistir aos outros fazendo amor, mas você vai concordar que é definitivamente melhor fazer do que ficar assistindo. Mas eu não posso perder esse jogo, é muito importante. É melhor jogar futebol, claro, mas eu sou um apaixonado e não posso perder”.

Percebe-se agora o porquê do título “O homem que sabia tudo”, pois com o vasto repertório adquirido ao longo de sua carreira acadêmica Umberto Eco transitou entre diferentes áreas do conhecimento como uma habilidade que poucos possuem. Com a sua partida o mundo perde um homem dos mais importantes da cultura contemporânea e que nos fazia ampliar a nossa percepção sobre a realidade que nos cerca.

Fontes:

Para saber um pouco mais sobre as obras produzidas pelo autor é só acessar o seu site Umbertoeco.com, mas listo abaixo algumas delas:

Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, I968 (from the 1967 ed.); Arte e beleza na estética medieval. Rio: Globo, 1989; Diário Mínimo. Lisboa: Difel, 1984; Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 1970 (partial); A estrutura ausente. São Paulo: Perspectiva, 1971; A definição da arte. Lisboa: Edições 7O, 1981; As formas do conteúdo. São Paulo: Perspectiva, 1974; O signo. Lisboa: Presença, 1977; Viagem na irrealidade cotidiana. Lisboa: Difel, 1986; Tratado geral de semiótica. São Paulo: Perspectiva, I980; O super-homem de massa. São Paulo: Perspectiva, 1991; Viagem na irrealidade cotidiana. Rio: Nova Fronteira, 1984; Como se faz uma tese. Lisboa: Presença, 1980. São Paulo: Perspectiva, 1983; Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 1986; O Nome da Rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983; Semiótica e Filosofia da linguagem. Lisboa: Difel, 1991; Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989; O pendulo de Foucault. Rio: Record, 1989; O segundo Diário Mínimo. Rio de Janeiro: Record, 1993; Interpretação e sobreinterpretação.  Lisboa: Presença, 1993; A procura da língua perfeita. Lisboa: Presença, 1996. Also Bauru: Signo, 2001; Baudolino. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s